sexta-feira, 15 de junho de 2012

Tarde de Amor*


A tarde estava chegando e eu, em uma praça te aguardava.
Uma garoa fina não podia baixar o fogo do meu ser.
Te conhecer era mais que um sonho, era uma aventura de amor.
Incerta e insegura do que você iria pensar de mim, me fazia tremer.
Nossa...Ele chegou...Eu, não sabendo o que fazer apenas sorri.
Quase correndo fui até o carro onde meu real presente dos céus estava.
Você...Com um sorriso safado nos lábios, me disse um alegre oi.
Que felicidade... Beijo roubado, meu sonho, minha realidade.
Naquele dia, sucumbi a teus fetiches, sem conseguir reagir, entreguei-me a teus comandos, caprichos e descobri na dor, o prazer.
Descobri a submissa em mim.
Às vezes queria falar do que sinto quando você me toca.
Quando sua voz grave e austera me chama.
Meu corpo todo se arrepia, misto de medo e prenuncio do meu prazer.
Sem te olhar nos olhos, me aproximo do teu poder.
Quero ser apenas sua servil cadela, sem me importar com meus desejos.
Com o símbolo da submissão que puseste em meu pescoço, me rendo ao seu insano querer.
Você a me possuir de todas as formas, delírio, êxtase profundo que me invade.
Hoje, sou mais tua do que nunca.
A todo instante, relembro com alegria, aquela tarde de amor.S.L

3 comentários:

  1. Delicioso!
    Lembrar é reviver o que nos trás boas lembranças.
    Beijos querida.

    ResponderExcluir